Hrunalaug & Seljavallalaug: banhos termais e um pouco do nosso segundo dia na Islândia

Hrunalaug & Seljavallalaug: banhos termais e um pouco do nosso segundo dia na Islândia

Para não dizer que esse blog virou blog de maternidade e pra relembrar o nosso segundo dia de viagem eu resolvi dar continuidade aos posts sobre a Islândia (para ver os outros clique aqui e aqui). Há um ano chegamos em Keflavík e eu coloquei os meus pés pela primeira vez na Islândia. No nosso primeiro dia percorremos todo o Golden Circle e no final do dia, depois de termos visitado a cachoeira Gullfoss, fomos em busca de encontrar a fonte termal Hrunalaug para depois seguir e direção ao sul do país. O Kilian tinha pesquisado bastante sobre os banhos termais e selecionado os que gostaríamos de visitar. Esse em especial é praticamente no meio do nada e bastante difícil de achar. O nosso objetivo era dar prioridade aos banhos que são pouco visitados e que funcionam só na base da pequena contribuição.

Hrunalaug

É uma fonte super pequena, mas fez valer todos os quilômetros rodados tentando encontrá-la. A água é maravilhosamente quente! Sim, muito quente! E a paisagem é de tirar o fôlego! Tem uma cabaninha pra trocar de roupa e já entrar na fonte. All natural, baby! Nesse dia estávamos sozinhos. Nenhum ser humano por perto. E isso fez a nossa passagem por lá ainda mais inesquecível. Por praticamente 2 horas aquele lugar maravilhoso nos pertenceu!

Localização: Hruni

Como chegar: dirigir pela rota 344 até Hruni. Ao entrar na cidade, procurar por um sinal pintado à mão indicando o caminho para a fonte. Esse sinal é que foi difícil de encontrar! Há um estacionamento e pra chegar à fonte, basta uma caminhada fácil de uns 5 minutos.

A caminho do sul da Islândia

Nós amamos percorrer o Golden Circle. Mas a viagem começou a ficar ainda mais interessante ao passo que nos aproximavámos do sul, onde estão localizadas as melhores atrações na minha opinião. No caminho vimos cachoeiras de água azul turqueza, estradas cada vez mais fotogênicas e finalmente pude pisar nas areias escuras do litoral. O nosso próximo destino foi a cachoeira Seljalandsfoss (aquela que dá pra andar por trás dela) e em seguida a piscina Seljavallalaug. A Seljalandsfoss merece um post completo, por isso escreverei sobre ela mais pra frente.

Seljavallalaug

Essa é provavelmente a fonte termal mais fotografada da Islândia. Ela fica somente a duas horas de carro de Reykjavik. O caminho até lá possui um cenário lindo! Infelizmente (embora a gente tenha amado a caminhada até lá) ficamos decepcionados por dois motivos: 1. a fonte não é quente, mas até aí tudo bem; 2. tem uma cabana para mudar e pendurar roupas e esse sim foi o motivo maior da nossa decepção. Eu nunca vi na vida um lugar tão sujo! Vi de tudo no chão. De absorventes usados a garrafas de bebidas alcoólicas. Uma grande pena! Porque ela é uma das piscinas termais mais antigas da Islândia. Nós sabíamos que ela era turística e mesmo assim quisemos ir até lá. Só não esperávamos encontrar um lugar tão mal tratado pelos turistas. Ficamos pouco tempo lá. Eu fiquei tão enojada que nem me senti a vontade na água. Bom, não sei se é sempre assim. Talvez nós só tivemos a infelicidade de visitá-la num dia ruim.

Localização: sul da Islândia, oeste da cachoeira Skógafoss

Como chegar: a partir da rota 1, pegar a rota 242 e seguir até um estacionamento de frente para uma fazenda. De lá, é só continuar andando pelo vale por cerca de 20 minutos.

to be continued…

o pai do meu filho

o pai do meu filho

kilianana_thisgermanlife20

Nós somos químicos e a fotografia é a nossa grande paixão. Temos o gosto musical ridiculamente parecido. Fazemos amizades com muita facilidade, somos abertos a pessoas de várias culturas e nos interessamos por elas. Gostamos especialmente de levar uma vida simples. Ele mostrou e ensinou a menina nascida e criada na praia a se apaixonar pelas montanhas, a querer explorar mais a natureza. Juntos já conhecemos lugares fantásticos, vivemos experiências que eu nunca imaginei na vida que algum dia viveria.

Essa coisa de que os opostos se atraem só é verdade na física. No nosso relacionamento o que conta mesmo são as nossas afinidades. E como elas são muitas!

Nos encontramos pela primeira vez em dezembro de 2009 durante a festa de natal no instituto onde trabalhamos. Pensar que duas simples mudanças de planos tiveram o poder de mudar completamente as nossas vidas. Manchester era o destino que eu havia escolhido pra estudar e pra onde eu iria. Já ele não tinha certeza alguma se seria aceito na vaga de doutorado. Bem, eu fui mandada de última hora pra Mainz e ele foi aceito. Dois destinos que foram traçados através das decisões dos nossos chefes! De repente eu estava na Alemanha, na minha primeira confraternização com novos colegas de trabalho, batendo o maior papo com o cara mais legal da festa. Recém-chegada na Alemanha e completamente perdida, ele foi uma das primeiras pessoas que conheci e consegui manter contato. Ele foi uma das poucas pessoas que sem esforço demonstrou ser gentil, amigável e pronto pra me ajudar a encontrar o meu espaço. Ele foi praticamente o meu primeiro amigo aqui na Alemanha. Dois meses depois, há exatamente 7 anos atrás, no dia de São Valentim, nos beijamos pela primeira vez em um baile de carnaval. Ele estava vestido de viking, com uma tinta azul no rosto. Foi realmente ali que tudo começou. Foi o dia que escolhemos mais tarde como nosso. Não posso admitir que foi amor à primeira vista. Ele também não. De fato, foi um relacionamento moldado pelo tempo e pela distância. Depois que deixei a Alemanha e voltei pro Brasil levei quase 2 anos pra terminar o meu doutorado. Acredito que esse tempo foi crucial pra que nós pudéssemos ter certeza dos nossos sentimentos. Foi um período muito difícil, com muitas idas e vindas e despedidas dolorosas. Mas um período que também nos fez bem. Com o passar dos meses vimos que não fazia sentido vivermos separados. Nós queríamos definitivamente ficar juntos.

kilianana_thisgermanlife01 kilianana_thisgermanlife15 kilianana_thisgermanlife16 kilianana_thisgermanlife18 kilianana_thisgermanlife17 kilianana_thisgermanlife19 kilianana_thisgermanlife22 kilianana_thisgermanlife21 kilianana_thisgermanlife23 kilianana_thisgermanlife24 kilianana_thisgermanlife12kilianana_thisgermanlife11 kilianana_thisgermanlife14 kilianana_thisgermanlife13 kilianana_thisgermanlife10 kilianana_thisgermanlife07 kilianana_thisgermanlife06 kilianana_thisgermanlife08 kilianana_thisgermanlife09 kilianana_thisgermanlife04 kilianana_thisgermanlife05 kilianana_thisgermanlife03 kilianana_thisgermanlife02kilianana_thisgermanlife25

Há 7 anos atrás eu finalmente tive a sorte de encontrar o meu amor tranquilo e essa é uma parte da nossa história contada em poucas linhas. Ela pode não ser a mais bonita ou digna de páginas de livros de romance. Mas ela é nossa. E é única. Hoje celebramos 7 anos juntos. Em alguns dias celebraremos a chegada do nosso filho, fruto do amor que construímos juntos e pelo qual eu sou tão grata. O nosso bebê tão desejado, que já amamos tanto, tanto! Em alguns dias uma outra parte da nossa história começará a ser escrita e eu mal posso esperar por isso. Sei que vai ser tudo novo, desafiador e assustador também. Mas o fato de ter tido essa pessoa ao meu lado em todos os momentos que precisei, e especialmente agora nessa reta final que está sendo tão delicada emocionalmente pra mim, só me faz ter mais certeza no coração de que eu escolhi para o meu filho o melhor pai do mundo!

Fotos tiradas por nós dois na Penísula de Snæfellsnes, Islândia, em Maio de 2016.

Islândia – um resumo do primeiro dia

Islândia – um resumo do primeiro dia

islandia_thisgermanlife_partei

Nossa viagem para Islândia começou com um pequeno contratempo. Nós saímos de Nuremberg pela Air Berlin e fizemos conexão em Düsseldorf. Chegando lá fomos informados que o nosso vôo havia sido cancelado porque o aeroporto de Keflavík tinha entrado em greve naquela noite. Foi uma confusão muito grande porque os funcionários não sabiam avisar quando que seria o próximo vôo e pra completar as nossas malas tinham sumido! Depois de quase duas horas esperando pela localização das malas, nós fomos encaminhados para o nosso hotel, felizmente já sabendo que o embarque seria no dia seguinte à noite. Foi uma tensão muito grande porque tivemos que entrar em contato com o bed & breakfast onde passaríamos a primeira noite (e fazer uma nova reserva, pagando pela primeira noite sem estar lá) e com a Touring Cars, empresa onde alugamos o motorhome, que teríamos que pegar já no dia seguinte pela manhã. Imaginem o meu nível de estresse! Com esse atraso teríamos 1 dia a menos na nossa rota e isso me deixou muito p* da vida. Enfim, perdemos uma diária no b&b, mas acabou dando tudo certo. A Air Berlin mudou sem cobranças a data da nossa volta e assim continuamos com os nossos 15 dias completos. A Touring Cars também não cobrou pelo dia que não chegamos e prolongou o nosso aluguel. Ufa!

O lado bom dessa confusão é que temos uma amiga querida que mora em Düsseldorf e acabamos passando um dia maravilhoso com ela na cidade. Eu nunca tinha visitado Düsseldorf e foi uma delícia conhecer assim tão espontaneamente (e com a cabeça fria) um pouco de lá.

E finalmente tinha chegado o momento em que estávamos embarcando para o meu tão sonhado destino. O legal de ter pego o vôo à noite é que saímos da Alemanha já anoitecendo e chegamos na Islândia com o sol ainda se pondo. Então ainda deu pra ver claramente lá de cima as geleiras Jökulsarlon, que falerei mais pra frente.

No dia seguinte cedinho o moço da Touring Cars nos buscou no b&b e nos levou para o escritório onde teríamos uma introdução de uso do automóvel. Tudo durou cerca de três horas. Terminado o processo, nós fomos abastecer a geladeira no Bónus (que saudade!), uma rede de supermercados espalhada por todo o país e com muita ansiedade partimos em direção ao Círculo de Ouro (Golden Circle), onde começamos a nossa viagem. Posteriormente vou falar sobre o preço da alimentação na Islândia e dar uma ideia do quanto gastamos nas duas semanas.

A sequência da nossa rota de 15 dias, percorrendo um total de 3500 km foi em sentido anti-horário começando pelo Golden Circle e terminando na penísula de Reykjanes.

Assim que entramos no Golden Circle, não demorou muito até começarmos a parar o carro a cada 5 minutos para tirar fotos. Parecíamos dois loucos deseperados, achando que se não fizessemos fotos disso ou daquilo não poderíamos voltar atrás e a única coisa que não queríamos era seguir em frente arrependidos de não ter registrado um certo momento ou lugar. À primeira vista tudo parecia MUITO surreal, como se a gente estivesse realmente em outro planeta. Nada era parecido com qualquer coisa que eu já tivesse visto na vida.

islandia_thisgermanlife_partei_02islandia_thisgermanlife_partei_32islandia_thisgermanlife_partei_30

Para quem vai para a Islândia com pouco tempo e quer aproveitar ao máximo o seu tempo, o Golden Circle é um ótimo ponto de partida. Três grandes atrações do país estão por lá (descritas abaixo). A grande comodidade é que ele não fica longe da capital ReyKjavík e em apenas um dia é possível visitar esses três lugares.

Mas chega de conversa! Abaixo estão os quatro highlights do nosso primeiro e inesquecível dia na Islândia!

Parque Nacional Þingvellir

O parque está localizado entre as placas tectônicas da Eurásia e da América do Norte, que se separam cerca de 4cm por ano. Além do importante valor histórico e cultural desse lugar – que é cede do parlamento mais antigo do mundo – e da sua beleza, o movimento das placas torna esse lugar singular. É o único lugar no mundo onde um movimento de placas tectônicas pode ser visto acima do nível do mar.

islandia_thisgermanlife_partei_03 islandia_thisgermanlife_partei_05 islandia_thisgermanlife_partei_06 islandia_thisgermanlife_partei_07islandia_thisgermanlife_partei_33islandia_thisgermanlife_partei_04 islandia_thisgermanlife_partei_08islandia_thisgermanlife_partei_09

Gêiseres

Esse lugar é muito legal e fica localizado no Vale Geotérmico Haukadalur. Achei muito massa ver o festival de explosão dos jatos d’água. Há várias fontes de água quente e cada um tem um nome. O Geysir (foto 3 abaixo), que deu nome ao lugar, não entra em erupção desde 1915, mas ao lado dele tem outra fonte chamada  Strokkur (colagem), com erupções que ocorrem a cada 10 minutos. Passamos uns 30 minutos no local fotografando o filmando o fenômeno. Uma visita imperdível!

islandia_thisgermanlife_partei_12 islandia_thisgermanlife_partei_11islandia_thisgermanlife_partei_28islandia_thisgermanlife_partei_34islandia_thisgermanlife_partei_10islandia_thisgermanlife_partei_29islandia_thisgermanlife_partei_13islandia_thisgermanlife_partei_35

Gullfoss

A cachoreira dourada da Islândia! É a próxima parada depois de dirigir apenas 10 km do Geysir. Chegamos lá no finalzinho da tarde, o que foi muito bom já que uma leva grande de turistas tinha acabado de deixar o lugar. Passamos um tempão contemplando aquele lugar e ouvindo de olhos fechados o som quase que ensurdecedor do fluxo de água. Embora ela seja imensa, a Gullfoss ainda não é a maior do país. A maior fica no norte (Dettifoss) e pra nossa falta de sorte ela estava coberta de neve. Como em todas as grandes atrações, o acesso à essa cachoeira é ridiculamente fácil e tudo é perfeitamente bem estruturado.

islandia_thisgermanlife_partei_14 islandia_thisgermanlife_partei_15 islandia_thisgermanlife_partei_17 islandia_thisgermanlife_partei_16 islandia_thisgermanlife_partei_25islandia_thisgermanlife_partei_36islandia_thisgermanlife_partei_37

A primeira vez que vimos os cavalos islandeses

Terminamos o dia seguindo em direção à uma fonte de água quente super escondida, já fora do Golden Circle. Falarei sobre ela no próximo post. No caminho fizemos a primeira paradinha para admirar de perto esses cavalos islandeses. Engraçado é que antes de encontrá-los eu já estava preocupada achando que seria difícil vê-los. Tinha lido que eles estão em todos os lugares e até a nossa visita à Gullfoss ainda não tínhamos visto um! Mas sim, os dias foram passando e constatei que eles estão mesmo everywhere! Esses cavalos são tão amáveis! É possível chegar perto deles sem medo e eles são também verdadeiros modelos. Acho que uma das coisas que mais amei nos meus dias na Islândia foi exatamente ter contato com eles e chegar pertinho deles com minha câmera. Ainda vai ter muita foto de cavalo nos próximos posts!

islandia_thisgermanlife_partei_19islandia_thisgermanlife_partei_31islandia_thisgermanlife_partei_23islandia_thisgermanlife_partei_18islandia_thisgermanlife_partei_20islandia_thisgermanlife_partei_21islandia_thisgermanlife_partei_22islandia_thisgermanlife_partei_24

Dá pra acreditar que a Islândia é ainda mais linda que isso? Nós amamos visitar o Golden Circle, mas devo confessar que a Islândia só começou mesmo me tirar o fôlego à medida que nos aproximávamos do sul. Esse é o primeiro post de uma série de não sei quantos posts sobre a Islândia. Mas enquanto os outros ainda estão no rascunho ou sendo planejados, queria compartilhar que eu escrevi um resumão sobre a nossa viagem para a edição de aniversário da Revista Ocapop, da qual sou colaboradora. Na matéria eu mostrei em fotos um pouquinho do que mais me surpreendeu! Então caso você tenha tempo e vontade, te convido a clicar aqui e acompanhar essa nova edição que está linda e em clima de comemoração. Comemoração pra mim também, que durante um ano tive o imenso prazer de colaborar em quatro edições! Estou na página 84.

Toda road trip tem que ter uma trilha sonora não é mesmo? A da nossa viagem foi muito linda e a cada post vou compartilhar com vocês as músicas que mais nos marcaram! Neste post: Crystals – Of Monsters and Men, uma banda da Islândia pela qual sou apaixonada!